sexta-feira, 1 de junho de 2012

A transição do Rock no tempo.



 por Júlia, 

Homens negros faziam força e suor quando seus martelos e marretas batiam nas pedras que serviam nas  construções de estradas dos Estados Unidos. O som estridente causado era  entoado com músicas melancólicas de letras simples e versos melódicos. De certa forma, o que cantavam valia tal como um desabafo, um amenizador da realidade de seu povo. Aquelas mesmas músicas já viviam nas casas de festas da pobreza negra, mas em nenhum lugar sabia-se o que estas canções poderiam gerar, nem ao menos sabiam que tipo de música chamariam aquela.

Esta era a cena encontrada na transição dos anos 40 para os anos 50, mais tarde, já havia a música entoada pelos negros, chamada de blues, nome que sugeria a expressão blue, tristeza e melancolia, metáfora com a cor azul, significado original da palavra blue. E como muita gente não sabe, foi deste estilo musical que o rock se originou. O blues entrou numa transição com as guitarras elétricas, criando o r&b, e como a voz começara a se tornar inaudível pelo som da guitarra, e os versos agora eram jogados e falados alto. Logo, artistas como Chuck berry, transformaram o blues num som dançante e guiado pelas guitarras, este era o rock. Criou-se pela primeira vez a ideia de que o rock se posicionava como uma contra cultura, pois as letras das músicas geradas nessa época eram contra o sistema atual da sociedade, relacionando isso a música Black (dos negros Norte Americanos) já que eles cantavam suas canções com base em toda a injustiça e pobreza em que se encontravam. Foi pela proposta dançante e de contra cultura que o rock conquistou os jovens. Foi largada a corrida, várias bandas diferentes formadas por jovens apareciam nos Estados Unidos, mas um compositor chamou atenção, tornando-se depois um dos maiores músicos de sucesso no mundo, Elvis Presley. Ele compunha os mais animados ritmos, e introduzia os costumes dos negros nos EUA, sendo ele branco. Criou o movimento rockabille e por fim tornou-se muito comercial, acabando sua carreira como morto por overdose, dali ia-se uma geração de músicos que morriam nas drogas.

Foi nos anos 60 que alguns compositores historicamente famosos começaram. Abriram as portas para artistas que queriam se comunicar com os jovens de forma pacífica falando de amor e consumindo drogas. O conceito hippie se gerou  em meio a vários jovens que eram contra a guerra do Vietnã e as diversas coisas do sistema capitalista, levantando a bandeira de utopia, paz e amor. Foi assim que Janis Joplin, Jimi Hendrix e vários outros artistas importantes compunham historicamente os anos 60. Ao mesmo tempo em que esses artistas eram ligados a psicodelia e ao LSD, na Inglaterra, a cidade de Liverpool era terrivelmente industrializada, fazendo com que a maior parte da população fosse da classe trabalhadora, tirando os estudantes, onde estavam inclusos os quatro garotos que formariam o grupo Beatles. A música mudara para sempre nos anos sessenta, os Beatles criaram o pop, influenciando todas as  gerações posteriores a eles e o movimento hippie dera um marco para rock através dos tempos.

Mas nesta mesma década morreram três dos artistas que fundaram o movimento, Jim Morrison, Janis Joplin e Jimi Hendrix, todos por causa das drogas. Os Beatles se separam, e com eles o surgimento da frase célebre, "o sonho acabou", dito por John Lennon quando a utopia hippie se desvinculara da realidade. Porém nos anos 70, quando não se esperava mais nada, surgia o rock Progressivo, que trazia grandes composições muito bem elaboradas, como as músicas clássicas de Pink Floid e outras bandas que surgiam. Junto com o rock Progressivo, o Heavy Metal fora realmente constituído, e Alice Cooper juntamente com Ozzy Osborn tornaram-se um clássico. Porém em meio disso tudo, mais original seria o personagem Bob Dylan, que tocava apenas no violão e gaita, tendo influências country e do Blues ele gerou o Folk, que inspirara milhares de jovens, fazendo poesia com as letras de suas músicas e  combatendo o preconceito e a ilusão capitalista.

No finalzinho dos anos 70, um movimento inesperado viria a aparecer, o movimento Punk. As composições dos Punks viriam a ser uma forma de protesto violenta e rebelde, que teria na sua música uma instrumentação simples e de tempo curto, já não se aguentavam mais as músicas longas entoadas no rock progressivo. Querendo demonstrar repulsa e ódio, os punks persuadiram vários adolescentes a contestar o meio em que viviam, para isso utilizavam   também de uma única filosofia: “faça você mesmo, ou seja, não espere que a sociedade o faça”. "Punk tem o significado em inglês de algo repulsivo, nojento e de má índole", diz a estudante, Mariana Del Rei Martins, de 14 anos. Porém os que precederam ao punk ainda não eram relativamente violentos, mas sim contestavam os hippies e tinham letras mais cruas,  mas, podiam ser considerados até poéticos. Esses foram Velvet Underground, The Stooges,  passando por Patti Smith e outros precursores de um rock mais alternativo na época.

Do  começo ao fim dos anos 80 vieram sonoridades mais modernas, o new wave (nome criado pela mídia) revelava uma atitude pós-punk misturada com pop. O grunge era outro tipo de rock que tivera bastante repercussão no mundo, junto com as novidades pop, como Madonna ou Michael Jackson. Bandas como, Nirvana (grunge) The Smiths (pop e até considerados os criadores das bandas independentes), Talkin Heads (New Wave), foram algumas das que fizeram sucesso nesses estilos musicais. Neste tempo, houve uma grande miscigenação musical, mais liberdade sexual diante de gênero e aceitação dos diversos estilos. Nas baladas o pop conquistava, nas ruas havia o grunge e movimentos pós-punks, cada vez mais os grupos undergrounds apareciam, emergindo e dando espaço para os anos 90.

Dos anos 90 até 2000, algumas cenas alternativas ganhavam espaço, uma banda bem  clamada foi Radiohead, que era diversamente criticada. Segundo o estudante do Colégio de Aplicação Luiz Henrique Nicolau, 14 anos, várias bandas que não tinham visibilidade nos anos 80 foram descobertas. O rock pesado tinha várias ramificações, o Metal, o Heard Rock, o Scream.  Bandas independentes como The Strokes surgiram, sucedendo assim com Franz Ferdinand, Arct Monkeys e etc. Estilos como o novo psicodélico apareciam cada vez mais no meio Indie, tornando esse estilo musical cada vez maior.

Essa não foi só a época da tecnologia e da urbanização muito intensa, foi a reviravolta social. Começaram a existir coisas novas a todo o momento e as pessoas se comunicavam muito mais do que anteriormente. Isso pode ser que indique o fim de nossa viagem musical, tendo de ter que falar que cada movimento teve sua importância na sua época, muita inspiração e paixão, que até hoje os jovens alimentam. São afinal os ouvintes e os compositores que fazem com que o mundo torne-se não só um lugar onde você vive no seu meio social, mas sim que você lute pela melhoria de seu meio, conquistando-o a pouco, e tornando essa luta em arte, com a música é claro.


Um comentário:

  1. Me ajudou muito em um trabalho de artes. Adorei!

    ResponderExcluir